Não adianta ser luz se a janela está fechada


Sempre me considerei uma pessoa iluminada. Não como um sol, abrasador, capaz de iluminar cada cantinho de vários planetas, mas uma luz tímida, porém firme, sempre ali, capaz de estender o brilho a outrem.

Mas o problema das pessoas iluminadas é justamente esse: a gente se sente na obrigação de estender esse brilho a meio mundo. 

Não que eu considere isso plenamente um problema. Acredito muito que o pouquinho de luz que habita em você, pode se multiplicar no outro. E em mais outras pessoas. Até aquele pontinho de luz se transformar numa super constelação, cheia de energia, alegria, desenvoltura. 

O real problema é que a gente acaba encarando como uma missão de vida iluminar alguns cantinhos específicos e (muito) obscuros. 

A gente tenta. De várias formas, ângulos, intensidades, de maneira sutil ou um pouco mais penetrante. O que não falta é tentativa: pessoas iluminadas têm muita esperança no coração. É essa esperança que nos faz seguir em frente, persistir, dar murro em ponta de faca. 

Mas a gente custa a entender que há cantinho que não quer ser iluminado. Há cantinho que prefere as trevas - como alguém pode preferir isso? Pois é. Difícil de entender, né? 

Num desses cafezinhos da vida eu verbalizei: não adianta ser luz se a janela está fechada. Você pode até ser o sol, mas se a pessoa possui uma cortina blackout no coração, feixe nenhum de luz consegue penetrar. 

E de tanto tentar ser luz para alguém que prefere escuridão, a gente acaba perdendo a luz própria. Hoje eu quero te pedir: não perca a sua luz. Deixe que ela invada, multiplique, ilumine, mas em hipótese alguma se afete ao nível de perder o que você tem de melhor. 

Acredito muito no poder de curar os outros que nossas luzes interiores possuem, mas infelizmente existem batalhas que não são passíveis de vitória. Perca a guerra, mas não perca sua luz. A gente se coloca diante de muita escuridão: às vezes é preciso ficar em frente a um espelho e se auto-iluminar. A gente emana luz, mas precisa dela também.