Resenha: Jojo Moyes - Depois de você (DESAFIO LITERÁRIO #15 2016)


Após ler Como eu era antes de você (e chorar litros), comecei a ler o tão aguardado futuro de Lou em "Depois de você", da editora Intrínseca. Segue a descrição:

Em Depois de você, Lou ainda não superou a perda de Will. Morando em um flat em Londres, ela trabalha como garçonete em um pub no aeroporto. Certo dia, após beber muito, Lou cai do terraço. O terrível acidente a obriga voltar para a casa de sua família, mas também a permite conhecer Sam Fielding, um paramédico cujo trabalho é lidar com a vida e a morte, a única pessoa que parece capaz de compreendê-la.
Ao se recuperar, Lou sabe que precisa dar uma guinada na própria história e acaba entrando para um grupo de terapia de luto. Os membros compartilham sabedoria, risadas, frustrações e biscoitos horrorosos, além de a incentivarem a investir em Sam. Tudo parece começar a se encaixar, quando alguém do passado de Will surge e atrapalha os planos de Lou, levando-a a um futuro totalmente diferente.

Eu li por aí que muitas pessoas odiaram o livro, preferiam não tê-lo lido, totalmente revoltadas com o que Jojo tinha reservado para Lou. Pensei que haveria outra tragédia, e li o livro totalmente apreensiva, esperando tudo ruir. Porém, ao contrário da opinião dessas pessoas, eu gostei bastante do desfecho (e seu desenrolar) e sinceramente do livro em si, também.

(Justamente por isso, esse é o 15º item do Desafio Literário 2016: Um livro muito criticado!)
"Assim, tendo perdido minha família e o homem que eu amava, todos os vínculos que eu possuía com quem eu era foram cortados. Tinha a sensação de que eu simplesmente saíra voando, sem amarras, para algum universo desconhecido."
Como diz a descrição, Louisa tentava superar tudo o que havia acontecido em sua nova vida, em Londres, após viajar pela Europa - e ela não estava obtendo muito sucesso em tudo isso. Estava em um emprego mais-ou-menos, habitando um apartamento que nem parecia ser habitado. Após beber muito vinho, estava em seu terraço e, uma voz que ela jura ter ouvido a assusta e ela vai de encontro ao chão.

"E o que aprendemos compartilhando nossas memórias, nossas tristezas e nossas pequenas vitórias é que não há problema em ficar triste. Ou perdido. Ou com raiva. É normal sentir certas coisas que os outros não podem entender, e algumas vezes por bastante tempo. Todo mundo tem um percurso próprio."

Clark não morre, apenas se desmonta toda. Sendo assim, precisa voltar para sua cidadezinha natal para se recuperar e, de quebra, aguentar os falatórios sobre toda situação que foi a morte de Will. Falando em Will, superar sua ausência não tem sido nada fácil para Lou. Ao retornar a Londres, os pais a forçam a frequentar um grupo de superação de luto (pois muitos acreditavam que ela tinha, na verdade, se jogado do terraço) e lá, ela reencontra o paramédico que a socorreu em seu acidente. 

Sam vira, então, o cara da vez. Presa ainda ao passado e com certo medo de seguir em frente, Lou fica receosa de mergulhar em um novo relacionamento. Mas o paramédico não é a única novidade em sua vida, uma nova pessoa - e não necessariamente alguém do passado de Will - bate a sua porta, literalmente. E é essa pessoa que nos faz pensar: tudo poderia ser diferente! Droga, as coisas realmente poderiam ter sido diferentes!

"De repente fiquei feliz com a solidez que ele oferecia naquele mundo onde era tão fácil cair."

Essa nova pessoa faz Lou ter uma nova rotina, novos problemas e preocupações. E com a mesma mão que dá, parece também tirar. Não vou contar mais detalhes, porém essa nova personagem é o ápice do livro, além da relação de Lou com Sam. 


Creio que muitas pessoas não gostaram do livro pelo seu ritmo lento - porém acho que ele relata com bastante fidelidade como é a vida de alguém que tenta seguir em frente e está um pouco deprimido. Depois de você inicialmente não possui uma sequência fascinante de descobertas e aventuras, e sim uma coisa ruim atrás da outra, tristeza e sofrimento - até porque não se dá para esperar muito mais de uma fase de luto, não é mesmo? Jojo foi bem competente ao transmitir toda a situação emocional da personagem principal. 

"Ela foi pega de surpresa quando eu ri. Pode ter sido porque eu ainda estava em choque. Mas gosto de pensar que foi nesse momento que me dei conta de que não tinha mais medo de nada."

É praticamente impossível não torcer pelo relacionamento Lou/Sam, por essa nova pessoa e até por Camilla Traynor. O livro nos faz refletir sobre como decisões subjetivas influenciam tantas vidas e mudam tantas rotas. Na verdade, se tem uma coisa que esse livro nos faz (além de chorar), é refletir. Sobre a morte, a ausência, a responsabilidade de cada ato e também sobre recomeçar. Eu gostei muito do livro, apesar de seu comecinho "empacar" a leitura, e Jojo Moyes continua se mostrando uma escritora que nos impressiona e, a cada página, nos faz perder o fôlego. 

Quem aqui já leu Depois de você? Quem quer ler? Gostaram da resenha? Contem nos comentários! Um beijo e um ótimo fim de semana!