Deixa

FONTE
Como as pessoas perdem tempo criticando as opções alheias, não é mesmo? Quando, na verdade, nada elas têm com isso. Deixa a Renata ser vegetariana. Deixa o Guilherme assistir às animações que ele quiser. Deixa a Lorena beijar meninas. Deixa o Lucas preferir não ir à balada. Deixa o Pedro usar saia e a Isabela gravata. Deixa, só deixa. 

É triste perceber como o ser humano consegue ser invasivo. "Olha lá a filha do vizinho, chegando às 5 da manhã." "Você viu que a filha da Marcinha engravidou do namorado?" "E o menino da sala do Wilsinho, que é viado?!" Eu só queria entender o que as pessoas acham que têm com a vida do outro. Acham, porque, como foi dito: ninguém tem nada com isso. 

Em nada a opção do outro prejudica a sua vida - exatamente, nada. Porque seu arcaico preconceito ou ódio gratuito não justificam seus argumentos para julgar o próximo. Quando o homem vai entender que não está na posição de julgar sequer uma pessoa? 

Hoje eu só queria pedir para você deixar. Deixar o outro ser feliz, com seus gostos, opções e estilo de vida. Deixar o outro viver com a privacidade e tolerância que todo ser humano merece e precisa. Hoje eu quero que você entenda que é problema do fulano se ele não gosta de beber cerveja. Hoje eu quero que você não se incomode pelo que não se deve e é errado incomodar. Hoje e sempre. 

Passamos muito tempo com os olhos voltados para os outros e esquecemos de voltá-los a nós mesmos. Já parou para pensar na energia e esforço mental que você perde em ações inúteis como julgar e criticar o incriticável? É energia para ler um livro, dançar, encontrar o amor da sua vida e ser feliz. O tempo é tão escasso para não ser investido no que nos agrega, no auto-cultivo... Use-o com esse intuito: cultivar. Mas cultive coisa boa, porque, de ruim, já existem infinitos hectares.