Vamos falar de gratidão?

FONTE: It Online
Um dia desses, estava indo à missa com a minha família. Deixamos o carro do outro lado da praça e fomos caminhando até a igreja. No meio do caminho, havia um senhor mexendo em uma caixa na calçada, pegando alguns sapatos que deviam estar ali para doação. Ao nos ver, ele disse:

"Olha, eu não tô roubando não! Tava aqui fora, posso pegar, né? Nunca roubei nada nessa vida."

E meu pai o tranquilizou:

"Claro, pode pegar sim. Se eles colocaram aí, é porque é para pegar mesmo. Fica tranquilo."

Chegando em casa, fui arrumar meu quarto para minha filhote de poodle não comer nenhum sapato que estivesse no chão e: eles não cabiam na sapateira. O senhor lá na calçada, pegando calçados em uma caixa e eu não tinha espaço suficiente para guardar os meus, de tantos que tinha. E pensei em como a gente costuma ser frívolo e desejar aquela bota da estação, a espradrille must have, sair para comprar um par de sapato e voltar com três pares e mais uma bolsa; enquanto muita gente procura nas calçadas um par de calçado que sirva ou ao menos dê para andar, sem se preocupar com cor, material, se é tendência ou não.

É, a gente precisa agradecer muito.

Agradecer muito pela nossa vida, pelas graças recebidas, por ter um computador ou celular para escrever ou ler esse texto, por poder decidir o que vai comer, se dar ao luxo de pagar quase cem reais em um rodízio de sushi, enquanto uns gastam isso no mês inteiro.

Uma das maneiras de agradecer é ajudar o próximo. Acredito muito que o bem é cíclico, e todo o bem que recebemos agora, devemos passar adiante e, se nos oferecerem o mal, que repassemos o bem, para que continue sendo bem lá na frente.

Falando em ajudar, o hospital Ritinha Prates está com uma campanha de financiamento coletivo no Kickante, visando adquirir o TheraSuit, método de última geração, desenvolvido por cientistas espaciais e utilizado pela NASA, para tratamento de pacientes com lesões neurológicas, sequelas de microcefalia, paralisia cerebral e AVC. Segue o vídeo:



Há quase 40 anos, o Ritinha atende 60 moradores com problemas neurológicos de Araçatuba e região, além de oferecer também tratamento ambulatorial gratuito no Centro de Especialização e Reabilitação, em aproximadamente 500 pacientes com sequelas neurológicas decorrentes de microcefalia, paralisia cerebral ou AVC, totalizando cerca de 1800 procedimentos. 

O objetivo é arrecadar R$78.400,00 para a compra do aparelho, até dia 14/05. Você pode acessar a campanha clicando aqui.

Enquanto nós possuímos os must have da temporada, tem gente que só gostaria de conseguir se movimentar sozinha. E a gente pode ajudar, sim. Doe, compartilhe para outras pessoas tomarem ciência desse lindo projeto. Todo bem que fazemos volta em dobro <3 

Um beijo!