Promessas que ninguém cumpriu


É engraçado como nós, seres humanos, temos a mania de prometer. Vamos nos enchendo de "um dia a gente vai...", "nós ainda faremos..." e quando percebemos, já somos um poço de promessas feitas da boca para fora: coisas que nos prometeram e jamais cumpriram e aquilo que nós também dissemos e depois esquecemos.


O problema de quem tem boa memória, é que algo que foi prometido lá em 2012 ainda é lembrando. E a gente fica pensando na viagem que não foi feita, no jogo que não se aprendeu a jogar, nos lugares que não foram visitados e se questiona se algum dia isso tudo vai acontecer. Se alguém vai voltar e cumprir, ou se a missão foi passada para frente e uma nova pessoa vem realizá-la. (Embora meu conselho seria que você fizesse suas malas e partisse sozinho, buscasse um tutorial na internet e assim por diante.)


Mas a questão é que a magia das promessas está nas pessoas que as fazem. Eu posso amanhã mesmo pegar as malas em direção à Cordilheira dos Andes, porém não seria a mesma coisa sem a pessoa que eu planejei tudo aquilo. A gente pode fazer tudo sozinho nessa vida, mas idealiza tudo na companhia de outra pessoa. E assim, eu lembro da famosa frase de Bob Marley, "descobrimos que grandes mesmo eram os sonhos e as pessoas pequenas demais para torná-los reais!"


John Green diz em A culpa é das Estrelas que as vezes as pessoas não têm noção das promessas que fazem, no momento em que as estão fazendo. Então eu peço: cuidado com o que você promete. Cuidado com as palavras que você usa. Elas machucam, torturam e inserem muita gente em um loop nostálgico.


Que as nossas promessas exijam algo de quem possa cumprir: mas não caia na besteira de ficar um ano sem comer bacon se o seu time for campeão do campeonato. Brincadeiras à parte, que a gente prometa somente aquilo que se possa cumprir e se esforce em fazê-lo.