RESENHA: Isabela Freitas - Não se iluda, não

Que essa mineira é destruidora, todos nós já sabemos. Ela se mantém na lista dos livros mais vendidos e acaba de vender os direitos do seu primeiro livro, "Não se apega, não", para a Rede Globo! Mas vamos ao que interessa: resenha! 

O "Não se iluda, não" é a continuação do primeiro livro e, com toda sinceridade, é bem melhor que o primeiro (se você quiser ler a resenha do primeiro livro, clique aqui). No segundo livro, a Isabela parece bem mais adaptada a esse meio, os diálogos são mais engajados e a ideia de colocar um post do blog no começo de cada capítulo foi genial!

Sobre a história:
Isabela faz uma viagem com os amigos e percebemos claramente o fraco dela pelo seu melhor amigo, Pedro (quem aqui é Team Pedro?? Euzinha!). Várias coisas acontecem e ela conhece um garoto fofíssimo que futuramente criará uma super confusão na vida dela. A protagonista então começa a escrever anonimamente em um blog que a cada dia ganha mais leitores e simpatizantes, e que vai resultar em uma reviravolta na história. Ela também começa a trabalhar em uma editora (mas não escrevendo!) e seu chefe horrível tenta destruir seus sonhos, mas quem foi que disse que a loirinha é fácil na queda?
Nesse livro você vai: odiar ainda mais a Marina e sua nova amiga, que por sinal é prima da Isabela; ficar dividido(a) entre o Pedro e o Gabriel, aquele garoto fofíssimo sobre o qual eu falei; torcer, morrer de ansiedade e principalmente, devorar cada página, pois a história realmente cativa demais! 

Sobre os posts do blog no começo de cada capítulo:
Os posts são como uma "prévia" do que vai acontecer - fazendo com que você fiquei com mais vontade de continuar lendo. Pelos comentários dos posts você acompanha o crescimento do blog: no primeiro, nenhum comentário; depois três, dez, até ultrapassar cem comentários. Realmente adorei essa ideia!

Li o Não se iluda, não em tempo recorde e me apaixonei por cada pedacinho. Vou deixar os meus trechos preferidos aqui para deixar um gostinho de quero-mais:

"Quem guarda qualquer tipo de sentimento ruim dentro de si só prejudica a si mesmo. É como eu disse outro dia, a mentira dói mais no mentiroso. Aqui é a mesma coisa. Quem carrega ódio, angústia ou mágoas dentro de si carrega um peso enorme que, aos poucos, esmaga toda e qualquer sanidade. A pessoa se torna vítima de si mesma. Torna-se vítima daquilo que ela mesma criou.
Se as pessoas pedissem mais desculpas, dessem mais abraços, se olhassem mais nos olhos, seriam tão mais felizes..."

"Caiu? Levanta. Terminou? Recomeça. E para todas as outras coisas... Sorria."


"Não devemos ter ciúme daquilo que não é nosso nem do que já foi e não é mais. Sabe por quê? Porque as pessoas não pertencem a ninguém nem a um lugar (...) Cada pessoa é responsável por suas decisões, e se culpar pelas decisões do outro é o maior martírio a que você pode se submeter por aí."


"Se as pessoas pensassem mais em si mesmas, talvez não se chateassem tanto quando outra pessoa toma uma atitude egoísta."

"Quando você tem fé na vida, sentir dor não dói tanto."

Se pudesse, colocaria quase todo livro aqui, hahahahaha. Espero que vocês tenham gostado da resenha e estejam gostando do blog. Um beijo!